Uso de bikes compartilhadas quase dobra em Porto Alegre

Assim como acontece em São Paulo e outras cidades do país, em Porto Alegre o sistema de compartilhamento de bicicletas é realizado em parceria com o Itaú e, segundo reportagem publicada pelo Jornal Zero Hora, o número de viagens realizadas pelo serviço aumentou 84% entre setembro e dezembro de 2016.

Como explicar este súbito aumento? Melhorias. Em maio de 2016 foi feita a renovação de contrato com a Serttel, empresa responsável pela manutenção das bicicletas e estações de aluguel, e uma série de cláusulas foram estipuladas: disponibilizar 400 bicicletas para circulação equipadas com iluminação dianteira e traseira e 40 estações funcionando plenamente com conexão wi-fi.

[xtopic title=”Leia também” layout=”1″ alignment=”” count=”1″ condition=”input” order=”” cats=”” tags=”” featured=”” ids=”3222″]

De acordo com a EPTC (Empresa Pública de Transporte e Circulação, a Serttel conseguiu cumprir as exigências com exceção de uma estação que foi retirada das proximidades do bar Opinião, na Cidade Baixa, e deve ser transferida para o supermercado Nacional da Avenida Aureliano de Figueiredo Pinto.

“As bicicletas melhoraram muito do ponto de vista de sinalização, agora todas têm luzinhas de LED na frente e atrás. Por outro lado, encontrar uma bicicleta para uso nos horários de pico ainda é difícil. Mas o pior de tudo é o vandalismo. Esses dias, fui pegar uma bicicleta no Mercado Público e havia cinco delas sem a sinetinha, que é um item bem importante. A manutenção parece ser constante, o problema é que o vandalismo é maior”, avaliou Cynara Bica, usuária do serviço, ao Zero Hora.

[xtopic title=”Leia também” layout=”1″ alignment=”” count=”1″ condition=”input” order=”” cats=”” tags=”” featured=”” ids=”3059″]

O BikePoa entrou em atividade em 2012 e desde então já registrou mais de 900 mil viagens, segundo levantamento da EPTC.

Qual a sua experiência com o sistema de aluguel de bikes de Porto Alegre? Compartilhe conosco nos comentários 🙂

Foto: Anselmo Cunha/PMPA